learnex

Pastoral: Feliz a nação
Escrito por Pr Moisés Alves dos Santos
Seg, 14 de Novembro de 2011 21:33
PDF Imprimir E-mail

Como é feliz a nação que tem o Senhor como Deus, o povo que ele escolheu para lhe pertencer!”   (Salmos 33:12)

Você já deve ter percebido que nesta semana temos um feriado... 15 de novembro Dia da Proclamação da República , um movimento político-militar que derrubou a monarquia Imperial de Pedro II e instaurou os Estados Unidos do Brasil !

Em 1993 tivemos um plebiscito popular que nos permitiu escolher se preferíamos a volta de um rei que governaria sobre nós, ou se continuaríamos sendo uma republica onde escolhemos o nosso presidente.

Me lembro na época que pouco se sabia do que realmente poderia mudar se escolhêssemos um rei, mas muitos não votaram a favor da monarquia, pois achavam que estariam dando privilégios a uma família que eles nem conheciam, sem saber se realmente a situação do país mudaria pra melhor.

No 1º Livro de Samuel também temos um momento em que a insatisfação levou o povo a querer um sistema de governo diferente. Era Samuel quem governava o povo assumindo o papel de Juiz, (assim como Jefté, Débora e Sansão), mas os filhos de Samuel perceberam que seu pai já estava velho, deixaram seus corações serem levados pelo amor ao dinheiro e se tornaram pessoas gananciosas aceitando subornos em troca de favorecimentos. Os líderes de Israel olhando para aquela situação, foram até Samuel e pediram que Samuel “pendurasse as chuteiras”, pois ele estava velho e seus filhos não seguiam mais as suas orientações.

Que triste... Quanto tempo investido junto ao sacerdote Eli, quanto mau exemplo o próprio Samuel presenciou e agora ele estava diante da mesma situação. Os anciãos de Israel se congregaram e vieram a Samuel, a Ramá, e exigiram dele que colocasse sobre o povo um rei. Embora fosse esse o pretexto, na realidade o povo queria era igualar-se às demais nações. Manifestava, assim, um espírito vaidoso e rebelde. Mas o Senhor, visto que trata com o homem respeitando sua liberdade, depois de mandar Samuel alertar o povo sobre os perigos e as desvantagens do que pediam, ordenou a escolha do rei. Saul então em I Samuel 9:2 – 10:27 é ungido e aclamado rei.

Você deve estar pensando o que esta história tem a ver  conosco?  Todos nós temos a mania de acharmos que a culpa de tudo que nos acontece deve estar com os nossos governantes. A própria República teve essa motivação e com Israel não estava sendo diferente. O povo estava acostumado a usar do “Jeitinho” oferecido pelos filhos de Samuel e ainda assim só reclamaram quando perceberam uma melhor e mais vantajosa oportunidade de tirar proveito do que o sistema de benefícios oferecidos pelos filhos do sacerdote.

Mesmo diante de toda essa situação de oportunismo e corrupção, Deus mostra a Samuel que Ele estará sempre no controle (Rm8:28). A rebeldia não era contra Samuel, mas contra o próprio Deus (1Sm8:7). Samuel não era desses líderes cheios de vaidade e egoísmo, capazes de quebrar lanças e de colocarem o mundo abaixo para permanecerem no cargo de poder. Não colocava a si mesmo em primeiro lugar, mas sim o interesse do Reino de Deus e a vontade do povo. Era , naqueles dias, um verdadeiro democrata.

Lamentável hoje é ver a postura de alguns líderes de Igrejas fazendo do púlpito um palanque político ou se colocando como opção de voto crendo que assim nossa nação poderá fazer de Jesus o Senhor. Jesus não quer ser o Senhor político da República Federativa do Brasil, Jesus quer ser o Dono dos corações dos brasileiros. Nós os Batistas somos uma Igreja separada da Política do Estado, respeitamos as autoridades instituídas e assim como Samuel cooperamos humildemente em oração abençoando nossos governantes seja ele um rei, um 1º Ministro ou um presidente. Pois o mais importante mesmo é que Jesus sempre será o nosso Senhor.

Paz nas lutas, só com Jesus .                   

Moisés Santos